domingo, 26 de fevereiro de 2012

Manobras com a POP 100 - Vermelha

Zerinho no Barro

terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

CG 150cc Modificadas..







Brasil é o único país do mundo a ter os três modelos da Yamaha Ténéré

Ícone dos anos 90, nova Yamaha XT 660Z Ténéré oferece robustez, tecnologia de ponta e um motor consagrado.

Fabricada no Polo Industrial de Manaus (AM), a trail de média cilindrada chega para completar a família Ténéré – 250 cc, 660 cc e 1200 cc. O Brasil é o único país do mundo a ter os três modelos da linha aventureira de motocicletas Yamaha. Outra novidade é a apresentação da XTZ 250 Ténéré na tradicional cor azul.

“A Liberdade é Azul”. O título do filme de Krzysztof Kieslowski (primeiro episódio da Trilogia das Cores), produzido na década de 90, caiu como uma luva para definirmos o espírito de aventura da família Ténéré, que agora conta com três modelos: XT 1200Z Super Ténéré, XTZ 250 Ténéré e a nova XT 660Z Ténéré, todos na cor azul. Com a estreia da trail de média cilindrada, o Brasil passa a ser o único País do mundo a ter os três modelos da linha aventureira da Yamaha, que seguem o mesmo padrão estético dos grafismos e adotaram a cor azul, em suas versões 2012.
Ao longo dos anos, o nome Ténéré tem sido sinônimo de modelos robustos, que encaram qualquer tipo de desafio. Esta vocação aventureira está no DNA desta família desde o seu lançamento, no início da década de 80 e vem passando por uma evolução constante que, inclusive, já ganhou o Rally Paris-Dakar, a competição off-road mais difícil do mundo. Assim, nos anos 80 e 90, o modelo se tornou uma referência no segmento off-road.
Graças à sua reputação, desempenho, facilidade de condução em qualquer tipo de piso – seja na estrada ou em uma estrada asfaltada –, a nova XT 660Z Ténéré chega ao Brasil esbanjado alto nível de conforto para encarar longas distâncias. Em função de sua versatilidade, motor confiável e ciclística muito bem ajustada, a Yamaha XT 660Z Ténéré é um dos modelos mais vendidos em toda a Europa e agora passa a ser fabricado também no País. A moto chega ao Brasil para dividir a liderança do segmento trail com sua irmã XT 660R, ambas equipadas como o tradicional motor de um cilindro. Aliás, a XT 660R foi o primeiro modelo nacional com sistema de injeção eletrônica de combustível, garantindo maior economia e desempenho ao modelo trail.

A nova XT 660Z, uma moto confiável em todos seus aspectos

A Yamaha projetou a XT 660Z Ténéré para uma geração de pilotos que gostam de aventura e querem ter a oportunidade de explorar um novo mundo de possibilidades, fiel à sua filosofia aventureira, de design original e para todos os tipos de viagens.


A Yamaha utilizou na XT 660Z Ténéré seu motor monocilíndrico, quatro tempos, de 660 cc de capacidade cúbica. Robusto e muito confiável, este propulsor é, sem dúvida, um dos mais importantes fabricados pela Yamaha e já equipa a consagrada XT 660R. Inspirado no modelo usado pela XT500, da década de 70, esta configuração vem sendo usada desde então em diversos produtos da Yamaha no decorrer dos anos.

Com refrigeração líquida e alto torque

O motor quatro tempos, 660 cc, SOHC (comando simples no cabeçote) da nova XT 660Z Ténéré está equipado com refrigeração líquida, injeção eletrônica de combustível e câmbio de cinco velocidades. O propulsor foi otimizado para oferecer mais torque em baixas e médias rotações. Dessa forma, a nova 660 Ténéré oferece grande força para várias situações, seja na condução urbana ou em deslocamentos por estradas de terra.
A nova XT 660Z apresenta um leve e compacto motor de um cilindro monocilíndrico, com uma taxa de compressão de 10:1, altamente eficaz e com um diâmetro e curso de 100 mm x 84 mm. Seu propulsor gera 48 cv de potência máxima e 6000 rpm e torque máximo de 5,95 kgf.m a 5.500 rpm. O cabeçote da XT 660Z traz quatro válvulas e o cilindro tem revestimento de cerâmica com pistão forjado. Estes itens foram herdados dos modelos de competição da Yamaha YZF-R1 (superesportiva) e YZ 450F (motocross). Já o câmbio de cinco velocidades oferece engates suaves e precisos.
O motor é gerenciado por uma eficiente Unidade de Controle Eletrônico (ECU), que monitora e analisa, por exemplo, o sensor do ângulo de inclinação, sensores que avaliam a altitude, a temperatura do ar e admissão.
Na prática, o motor impressiona pela resposta rápida desde as baixas rotações e também por sua força, seja para retomadas de velocidade em saídas de curvas, para uma ultrapassagem segura ou até para encarar uma bela subida.

Chassi de duplo berço e ciclística acertada

A Ténéré XT 660Z é equipado com um chassi de duplo berço, cujo caráter robusto está adequado para longas viagens em qualquer tipo de piso e que acomoda perfeitamente o motor de um cilindro. Compacta e leve, a estrutura tubular do quadro foi projetada para oferecer equilíbrio ideal ao piloto, resistência e rigidez contra torções, para melhorar ainda mais a circulação da moto em estradas de chão batido e também em vias asfaltadas.
Para oferecer elevados níveis de conforto para o piloto e garupa, além de rodar com bastante desenvoltura por os mais diferentes tipos de terreno, a nova XTZ 660 Ténéré utiliza garfos telescópicos tradicionais, que oferecem 210 mm de curso na roda dianteira. A suspensão traseira conta com braço oscilante fabricado em alumínio e suspensão monocross, com curso de 200 mm, ajustável em cinco posições, que absorve com maestria as imperfeições do terreno.
Este grande curso da suspensão não só torna a Ténéré uma motocicleta confortável para pilotar, mas também garante boa dirigibilidade em pisos irregulares, seja no asfalto, em deslocamentos por estradas de terra ou até em trilhas leves.
Para se ter uma frenagem potente e controlada, a nova Ténéré está equipado com dois discos de 298 mm de diâmetro, com pinça de duplo pistão. E na traseira, disco simples de 245 mm de diâmetro. Este sistema de alto desempenho garante uma frenagem vigorosa, alta precisão e com muito controle, como nos modelos de caráter esportivo da Yamaha.

Para-brisa frontal

Na nova aventureira da Yamaha, o conforto e ergonomia são palavras-chave. O piloto fica bem posicionado, com a coluna ereta e conta com assento duplo. Dessa forma, a Ténéré torna-se uma moto extremamente confortável, independentemente da jornada ou do caminho, seja de casa para o trabalho ou, que sabe, para “ganhar o mundo”. Para ajudar a reduzir o cansaço do motociclista, principalmente em viagens longas, o modelo conta com uma robusta semi-carenagem aliada com o pára-brisa, que desvia, com muita propriedade, o vento frontal, além de proteger o piloto de pequenos objetos e chuva.
Emoldurado, o bloco óptico – com dois multirefletores e lente em policarbonato que abriga duas parábolas com lâmpadas halógenas de 2 X 55 Watts. Além de projetar um potente feixe de luz adequado, este conjunto também oferece uma melhor penetração aerodinâmica.

Tanque de combustível para longos passeios

Demonstrando que o grande potencial da XT 660Z Ténéré é o mototurismo de aventura, a moto está equipada com um grande tanque de combustível de capacidade (23 litros) – a mesma quantidade que abastece a XT 1200Z Super Ténéré –, que se integra perfeitamente com o design da parte dianteira da moto. Apesar de sua grande capacidade, a largura e a altura do tanque de combustível ter sido minimizado por meio do alargamento do compartimento que fica sob o banco do motociclista. Dessa forma há mais um benefício: centralização de massa para oferecer uma condução mais agradável.

Protetores de motor e corpo

Com capacidade inigualável para enfrentar todos os tipos de viagens, XT 660Z Ténéré está pronto para encarar terrenos acidentados, o novo modelo está equipado com uma gama de protetores de série.
Para evitar danos no tanque de combustível e também no motor, a Yamaha instalou três protetores na nova Ténéré. A proposta é oferecer máxima proteção ao conjunto. Destaque para protetores que ficam posicionados para proteger os cilindros do motor, um gancho para reboque em situações de atoleiro estrategicamente instalado na mesa inferior facilita o resgate, além do protetor de cárter, item fundamental em modelos de características off-road, que tem como principal missão de enfrentar caminhos de terra e pedras. Cada um desses protetores pode ser facilmente substituído, permitindo que o proprietário da Ténéré possa manter sua Yamaha sempre em perfeito estado de conservação.

Vasta gama de acessórios

Além de todas as qualidades visuais, ciclística e de motorização, a Yamaha também desenvolveu uma completa gama de acessórios para a nova Ténéré. A idéia é aumentar a segurança e o conforto do motociclista e do garupa durante os deslocamentos.
Pilotos que desejam ampliar a capacidade de bagagem da moto, a Yamaha oferece malas laterais e top case. Também estão disponíveis os protetores de mão e protetores de motor. Além disso, a XT 660Z Ténéré pode receber defletores para manter as mãos sempre protegidas. Confira os itens disponíveis e o preço sugerido ao consumidor:
  • Placa Protetora do Motor – Protetor de cárter, fabricado em alumínio e com 3mm de espessura. Oferece proteção adicional contra impactos que possam danificar o motor. Fácil remoção para troca de óleo. (R$ 601,61)
  • Protetor de mão – Fabricado em náilon injetado, com sliders laterais. (R$ 571,37)
  • Refletor de Mão – Maior proteção para as mãos com o desvio do vento. (R$ 294,69)
  • Protetor do farol – Fabricado em policarbonato altamente resistente, protege o farol contra impactos de pedras pequenas. Fácil instalação e remoção. Ideal para prática de off-road.Inclui os fixadores. (R$ 267,60)
  • Kit caixa lateral direita/esquerda – 30 Litros – Fabricadas em alumínio anodizado, reforçado com náilon e com detalhes em alto relevo. Capacidade de 30 litros em cada caixa. (R$ 2.983,79)
  • Kit fixador lateral – Item obrigatório para a instalação das caixas laterais. Fabricado em aço tubular altamente resistente. (R$ 731,46)
  • Caixa superior – Construída em alumínio anodizado, reforçado com náilon e com detalhes em alto relevo. A caixa superior traseira é robusta e forte, mantendo o estilo da família Ténéré. Possui alta resistência à água e capacidade de armazenamento de até 30 litros. (R$ 1.640,46)
  • Mala interna da caixa lateral – Especialmente desenvolvida para ser utilizada nas caixas laterais da XT660Z Ténéré. Permite fácil carga e descarga. Possui alça de mão e de ombro, zíper duplo grande para fácil abertura. Mala para volume de 22 litros e expansível até 24 litros. (R$ 252,77)
  • Mala interna da caixa superior – Especialmente desenvolvida para ser utilizada na caixa superior da XT660Z Ténéré. Permite fácil carga e descarga. Possui alça de mão e de ombro, zíper duplo grande para fácil abertura. Mala para volume de 22 litros expansível até 24 litros. (R$ 261,44)
  • Cavalete Central – Fabricado em aço tubular altamente resistente. Fácil de instalar e usar. (R$ 680,45)

Modelo adaptativo robusto, prático e elegante

O sucesso esmagador da linha Yamaha Ténéré em todo o Mundo é atribuída à sua combinação imbatível de utilidade, estilo e valor, características básicas que também aparecem no novo modelo. Para fazer produtos desejados e da mais alta qualidade, a Yamaha sempre se empenhou em oferecer a mais ampla gama de motos, e a nova XT 660Z Ténéré complementa e amplia a família Ténéré no Brasil.
A XT 660Z Ténéré está à venda nas Concessionárias Autorizadas Yamaha na cor azul. O preço público sugerido é de R$ 30.500,00. As motocicletas Yamaha têm um ano de garantia, sem limite de quilometragem. A Yamaha conta atualmente com uma rede de 550 concessionárias. SAC (11) 2431-6500.

Motor

  • Tipo DOHC, monocilíndrico, 4 tempos, 4 válvulas e refrigeração líquida,
  • Cilindrada 660cc
  • Diâmetro x curso 100 x 84 mm
  • Taxa de compressão 10.0:1
  • Potência máxima 48 cv a 6.000 rpm
  • Torque máximo 5,95 kgf.m a 5.500 rpm
  • Sistema de lubrificação Cárter seco
  • Sistema de combustível Injeção de eletrônica
  • Tipo de embreagem multidisco banhado a óleo
  • Sistema de ignição Elétrica
  • Sistema de transmissão Permanentemente engrenada, 5 velocidades
  • Transmissão final Corrente

Chassis

  • Quadro: Diamond, em aço
  • Suspensão dianteira: Garfo telescópico, pré-carga ajustável, amortecimento de compressão e retorno
  • Curso da roda dianteira: 210 mm
  • Suspensão traseira: Monoamortecedor, ajustável para pré-carga e retorno
  • Curso da roda traseira: 200 mm
  • Freio dianteiro discos duplos: De acionamento hidráulico e de 298 mm de diâmetro
  • Freio traseiro: Disco simples de 245 mm
  • Pneu dianteiro: 90/90R 21M/C 54S
  • Pneu traseiro: 130/80R17M/C 65S

Dimensões

  • Comprimento total: 2.246 mm
  • Largura total: 900 mm
  • Altura total: 1.477 mm
  • Altura do assento: Ajustável 896 mm
  • Distância entre eixos: 1.500 mm
  • Distância mínima do solo: 260 mm
  • Peso total (a seco): 186 kg
  • Capacidade do tanque de comb.: 23 litros
  • Quantidade de óleo: 2,9 litros
  • Cor: Azul Viper
Preço: R$ 31.110,00. Preço público sugerido, posto Guarulhos, São Paulo.

XTZ 250 Ténéré

“Melhor Compra de 2011” pela revista Quatro Rodas Moto, a versão 2012 da XTZ 250 Ténéré chega com uma grande novidade: na cor azul, igual à utilizada em suas irmãs de maior capacidade cúbica. Versátil, confortável, fácil de pilotar e com boa autonomia, a trail da Yamaha, é feita com exclusividade ao motociclista brasileiro. Sendo assim, o modelo caiu no gosto do público mais jovem, que quer um veículo prático e de alta qualidade para ser utilizado em deslocamentos urbanos, em viagens ou simplesmente para o lazer. XTZ 250 Ténéré foi um dos principais lançamentos da indústria de duas rodas em 2010.
A versão na cor azul recebeu os mesmos padrões de grafismos adotados nas Yamaha XTZ 660Z Ténéré e XT 1200Z Super Ténéré. Diferentemente das suas irmãs de maior capacidade cúbica, a caçula da família Ténéré tem seu comportamento dinâmico mais voltado para as tarefas urbanas.
De cara, a XTZ 250 mostra porque é uma digna representante da família Ténéré. O bloco óptico – com dois multirefletores e lente em policarbonato que abriga duas parábolas com lâmpadas halógenas de 55 Watts – é uma espécie de assinatura da família trail da Yamaha. Já a semi-carenagem aliada com o pára-brisa oferece proteção ao piloto contra o vento, chuva, insetos, linhas de pipa e etc.
Moderno e bastante moderno, o painel de instrumentos apresenta um mostrador de cristal liquido multifuncional, que apresenta multiplas informações como, por exemplo, com hodômetro total e dois parciais (TRIP-1 e TRIP-2), mais hodômetro do combustível (F-TRIP), indicador do nível de combustível, relógio e tacômetro eletrônico analógico de excelente visualização, além de leds; indicador do neutro, farol alto, luz de direção e alerta do motor.

Motor injetado e econômico

O propulsor da XTZ 250 Ténéré, o mesmo utilizado na XTZ 250 Lander e também na Fazer YS 250, usa pistão forjado e cilindro com revestimento cerâmico com maior resistência e melhor dissipação do calor. Esta característica é bastante semelhante ao utilizado pelas motos de alto desempenho da marca.
O motor monocilíndrico, quatro tempos, OHC (Comando simples no cabeçote) de exatos 249 cc de capacidade gera 21 cv a 8.000 rpm. Todo o funcionamento deste propulsor é gerenciado por uma eficiente Unidade de Controle Eletrônico (ECU), que monitora e analisa as informações de cada sensor e transmite os comandos aos vários sistemas para atender às mais diferentes condições de pilotagem.
A alimentação por injeção eletrônica (Sistema Yamaha de Injeção Eletrônica), pioneira no Mundo em motores de 250cc, foi concebida há seis anos o que lhe confere maturidade e comprovada economia com desempenho coerente a sua proposta, harmonizando respostas rápidas nas arrancadas e em retomadas.
Engrenagem compensada com mola amortecedora instalada na extremidade direita do eixo balanceador (Balance Engine), engrenagens das cinco marchas reforçadas completam o conjunto.
O chassi do tipo semi-berço duplo em aço encaixa um tanque de combustível, com capacidade para 16 litros e reserva de 4,5 litros – suficientes, por exemplo, para percorrer a distância Rio/São Paulo sem a necessidade de abastecimento. Sua tampa do tipo abastecimento rápido conta com dreno no bocal eliminando o excesso. A XTZ 250 Ténéré tem autonomia sem igual entre os produtos do mesmo segmento, apresentando características únicas em um mesmo produto, tais como; conforto, proteção aerodinâmica, altura do guidão mais elevado com amortizadores, assento em degrau, alças para a garupa, comandos nos punhos e painel de instrumentos completo exaltam sua aptidão para viagens.

Ciclística reforçada

A suspensão dianteira reforçada do tipo telescópica tem barras protegidas por uma coifa em borracha e curso de 220 mm, enquanto a traseira monoamortecida tem 200 mm de curso sendo formada pelo braço oscilante e um amortecedor a mola, óleo e gás com regulagem por rosca de fácil acesso e manuseio.
As rodas com aros em aço 80/90-21 M/C 48S e traseira 120/80-18 M/C 62S levam pneus Pirelli Scorpion, com aplicação mais on-road que off-road, com reduzido nível de ruído.
Os freios a disco em ambas as rodas, na frente leva um disco com 245 mm de diâmetro e pinça com dois êmbolos – que teve seu poder de frenagem melhorado pela adoção de uma mangueira mais curta e com malha de cobre em sua extremidade junto ao calíper, e na traseira um disco de 203 mm de diâmetro.
A XTZ 250 Ténéré é a motocicleta ideal para aqueles que buscam um veículo versátil para o transporte pessoal na cidade e aptidão para aventuras e viagens com o carisma da legenda Ténéré – que significa deserto dos desertos no dialeto Tuaregue.
A XTZ 250 Ténéré está à venda nas Concessionárias Autorizadas Yamaha nas cores; azul, branca e preta. O preço público sugerido é de R$ 13.100,00. As motocicletas Yamaha têm um ano de garantia, sem limite de quilometragem. A Yamaha conta atualmente com uma rede de 560 concessionárias. SAC (11) 2431-6500.

Motor

  • Tipo refrigeração a ar, 4 tempos, SOHC, 1 cilindro, injeção eletrônica de combustível
  • Cilindrada: 250cc
  • Diâmetro x curso 74,0 x 58,0 mm
  • Taxa de compressão 9.80:1
  • Potência máxima 21 cv a 8.000 rpm
  • Torque máximo 2.10 kgf.m a 6.500 rpm
  • Sistema de lubrificação: Cárter úmido com radiador de óleo
  • Sistema de combustível: Injeção Eletrônica
  • Tipo de embreagem: multidisco banhado a óleo
  • Sistema de ignição: Elétrica
  • Sistema de transmissão: Engrenagem constante, 5 velocidades
  • Transmissão final:Corrente

Chassis

  • Quadro: Semi Berço duplo em aço
  • Suspensão dianteira: Garfo telescópico,
  • Curso da roda dianteira: 220 mm
  • Suspensão traseira: Monoamortecida com link
  • Curso da roda traseira: 200 mm
  • Freio dianteiro: Disco de 245 mm de diâmetro
  • Freio traseiro: Disco de 203 mm de diâmetro
  • Pneu dianteiro: 80/90-21 MT90 A/T 48S – PIRELLI/SCORPION
  • Pneu traseiro: 120/80-18 MT90 A/T 62S – PIRELLI/SCORPION

Dimensões

  • Comprimento total: 2.120 mm
  • Largura total: 830 mm
  • Altura total: 1.370 mm
  • Altura do assento: 865 mm
  • Distância entre eixos: 1.385 mm
  • Distância mínima do solo: 270 mm
  • Peso seco: 137 kg
  • Capacidade do tanque de comb.: 16 litros
  • Quantidade de óleo: 1,50 litros
  • Cores: Azul, Preta ou Branca
  • Preço: R$ 13.100. Preço público sugerido, posto Guarulhos, São Paulo.

Super Ténéré

Da lendária aventureira, Super Ténéré 750, sucesso na década de 90, restou o nome e a inspiração no temido deserto africano de Ténéré, no centro sul do Saara. No restante, este modelo da marca é completamente novo e moderno. Hoje, a XT 1200 Super Ténéré é uma das motos mais completas e seguras de sua categoria. A big-trail da Yamaha traz motor bicilíndrico de maior capacidade e muita tecnologia embarcada para brigar no segmento de motos de características mais aventureira. Entre os diferenciais estão controle de tração e sistema de freios ABS (antitravamento). A Super Ténéré foi feita para “ganhar o mundo”, já que encara qualquer desafio seja no Deserto do Saara ou na Rota Astral. Uma moto sem fronteiras, sem limites e que oferece muita segurança, conforto e conta com um motor que esbanja saúde e torque.
Um dos modelos mais famosos da marca, a Yamaha Super Ténéré já foi eleita a “Melhor Compra de 2011” pela revista Quatro Rodas Moto, na categoria On/Off-road acima de 1000cc. O desenvolvimento da nova Super Ténéré começou a partir de uma folha em branco, porém com objetivos claros: um novo motor de grande capacidade cúbica com torque à vontade; agilidade no fora de estrada e precisão em estradas sinuosas; muito conforto e praticidade para se levar bagagem e garupa; além de tecnologia para melhorar a segurança e a versatilidade.

Dois cilindros paralelos

A configuração escolhida para dar vida à nova XT1200Z Super Ténéré foram dois cilindros paralelos. A arquitetura do modelo japonês resulta em um estreito e compacto propulsor de 1.199 cc de capacidade, que garante torque desde as baixas rotações e potência suficiente para a categoria. Com refrigeração líquida, duplo comando de válvulas (DOHC), alimentado por injeção eletrônica e com duas velas por cilindro, o motor entrega 110 cavalos de potência máxima a 7.250 rpm. O torque é de 11,6 kgf.m já a 6.000 giros. O propulsor apresenta funcionamento suave, além de oferecer torque desde as baixas rotações.
Assim como em outros modelos da Yamaha, o motociclista vai controlar o motor da Super Ténéré 1200 por meio de um acelerador eletrônico (Yamaha Chip Controlled Throttle, YCC-T), que garante respostas mais precisas ao girar a manopla. O motor conta ainda com dois mapas de gerenciamento: Sport para uma pilotagem mais agressiva e Touring para uma tocada mais “relaxada”, com entrega de potência mais suave.
Completa ainda o pacote de soluções eletrônicas um controle de tração que evita derrapagens da roda traseira em situações de piso escorregadio e/ou baixa aderência – trabalhando em conjunto com o sistema ABS. O módulo permite três níveis de atuação do controle de tração: o modo “TCS1″ é o normal e atua em qualquer situação que for detectada uma derrapagem da roda traseira; já o “TCS2″ tem efeito retardado e permite escapadas de traseira em uma pilotagem off-road mais radical; ou para os mais experientes o modo “OFF”, que desliga completamente o sistema.

Tecnologia de sobra

A XT1200Z traz freios ABS unificados (ABS Unified Brake System). Segundo a Yamaha, trata-se de um dos mais avançados sistema de freios já desenvolvidos pela fábrica japonesa. O sistema ABS evita o travamento das rodas em frenagens bruscas por meio de uma válvula de pressão hidráulica que atua sobre os dois discos dianteiros (com 310 mm de diâmetro) e também no único disco traseiro — todos em forma de margarida. Além disso, há ainda os freios unificados, ou combinados, controlados por um módulo eletrônico que divide a frenagem nas pinças dianteiras e traseiras ao apertar o manete de freio dianteiro. De acordo com a marca, para calcular a proporção exata de frenagem na frente e atrás há sensores que levam em consideração a velocidade da moto, a pressão no manete e também o peso total da motocicleta.
Uma das vantagens do sistema é que durante a pilotagem fora de estrada o motociclista fica de pé e tem o acesso limitado ao pedal de freio traseiro. Outra boa novidade é que, caso o motociclista pise no freio traseiro antes de apertar o manete dianteiro, o sistema não atua. Facilitando assim manobras em baixa velocidade.

Ciclística

Como a proposta da nova Super Ténéré é ser uma aventureira para se viajar para qualquer lugar, a Yamaha apostou em uma ciclística robusta com rodas raiadas, uma grande distância do solo e uma resistente proteção do motor. Todo o projeto ciclístico foi concebido para manter o centro de gravidade baixo e centralizado para garantir equilíbrio e agilidade.
O quadro do tipo espinha dorsal é construído em tubos de aço em vez de alumínio, pois de acordo com a Yamaha o material suporta melhor a exigência da pilotagem off-road. A suspensão dianteira conta com um garfo telescópico invertido com tubos de 43 mm de diâmetro, totalmente ajustável na compressão, retorno e pré-carga. Já na traseira, um sistema monochoque com amortecedor facilmente regulável na pré-carga e no retorno sem a necessidade de ferramentas. A balança traseira, que traz o eixo-cardã da transmissão final embutido, foi construída em alumínio.
Apesar de raiadas, as rodas permitem o uso de pneus radiais sem câmara nas medidas 110/90 em aro de 19 polegadas, na dianteira; e 150/70 em um aro de 17 polegadas, na traseira.
Para completar suas capacidades fora-de-estrada, a nova aventureira traz um largo guidão com protetores de mão de série. As pedaleiras também foram projetadas para o uso mais radical e têm capas de borracha, que garantem o conforto ao se pilotar sentado.Quando o motociclista fica de pé para controlar a moto em estradas não pavimentadas essas capas se achatam e permitem um maior contato dos pés com as pedaleiras.
Protetores laterais do motor e o protetor de cárter também são de série, mostrando a verdadeira vocação da nova Super Ténéré: longas aventuras por quaisquer caminhos até que o grande tanque de 23 litros peça mais combustível.
O “bagageiro triplo (multifuncional)” em resina plástica que vem de fábrica foi projetado para oferecer uma grande variedade de utilizações. O usuário pode escolher de três tipos de utilizações: 1) Forma padrão, 2) com um baú traseiro (opção) que pode ser montado sem qualquer dispositivo adicional de acoplamento e 3) como uma superfície de bagageiro plana removendo a garupa.
A Super Ténéré conta ainda com uma completíssima linha de acessórios opcionais. A lista vai de malas laterais, baú traseiro e bolsa de tanque, passando por protetores de farol, um protetor de motor em alumínio, até itens de conforto como aquecedores de manopla, capa de tanque e banco mais baixo.
A XT1200Z Super Ténéré já está à venda nas Concessionárias Autorizadas Yamaha, na cor azul. O preço público sugerido é de R$ 61.000,00. As motocicletas Yamaha têm um ano de garantia, sem limite de quilometragem. A Yamaha conta atualmente com uma rede de 550 concessionárias. SAC (11) 2431-6500.

Motor

  • Tipo refrigeração líquida, 4 tempos, DOHC, 2 cilindros em linha, 4 válvulas, injeção de combustível, dupla ignição
  • Cilindrada 1199cc
  • Diâmetro x curso 98 x 79.5 mm
  • Taxa de compressão 11.0:1
  • Potência máxima 110 cv a 7.250 rpm
  • Torque máximo 11.6 kgf.m a 6.000 rpm
  • Sistema de lubrificação Cárter seco
  • Sistema de combustível Injeção de eletrônica
  • Tipo de embreagem multidisco banhado a óleo
  • Sistema de ignição Elétrica
  • Sistema de transmissão Permanentemente engrenada, 6 velocidades
  • Transmissão final Eixo-cardã

Chassis

  • Quadro: Backbone em aço
  • Suspensão dianteira: Garfo telescópico, tubo de 43 mm, pré-carga ajustável, amortecimento de compressão e retorno
  • Curso da roda dianteira: 190 mm
  • Suspensão traseira: Mono-amortecedor, ajustável para pré-carga e retorno
  • Curso da roda traseira: 190 mm
  • Freio dianteiro discos duplos: hidráulicos tipo “wave” de 310 mm ABS/ Sistema de Frenagem Unificado
  • Freio traseiro: Disco hidráulico tipo “wave” de 282 mm
  • Pneu dianteiro: 110/80R19M/C 59V
  • Pneu traseiro: 150/70R17M/C 69V
  • Dimensões
  • Comprimento total: 2,255 mm
  • Largura total: 980 mm
  • Altura total: 1.410 mm
  • Altura do assento: Ajustável 845-870 mm
  • Distância entre eixos: 1.540 mm
  • Distância mínima do solo: 205 mm
  • Peso total (ordem de marcha): 261 kg
  • Capacidade do tanque de comb.: 23 litros
  • Quantidade de óleo: 4,2 litros
  • Cor: Azul Viper
Preço: R$ 61.000,00. Preço público sugerido, posto Guarulhos, São Paulo.

Fonte:http://bagarai.com.br/brasil-e-o-unico-pais-do-mundo-a-ter-os-tres-modelos-da-yamaha-tenere.html

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2012

Honda CB 1.000R





Um dos maiores desafios na arte de fazer motocicletas é equilibrar a potência e o torque da maneira mais eficiente (e coerente) com a proposta do modelo. Motos esportivas têm, proporcionalmente, mais potência, pois seu objetivo principal é andar rápido. Já as custom vão no caminho inverso: feitas para passeios tranquilos em velocidades constantes e sem muitas trocas de marcha, privilegiam o torque em baixas rotações.
Poucas motos alcançam a perfeição de oferecer desempenho excepcional em qualquer faixa de giro. É o caso da Honda CB 1.000R, a naked recém-lançada que pegamos para uma avaliação longa. Foram 1.100km rodados numa ida e volta entre São Paulo e Rio e mais um tanto em trecho urbano. Descobrimos incríveis virtudes e esperados aspectos negativos, mas no balanço geral esta máquina faz feliz quem ama a vida em duas rodas.
Na saída de Sampa, pegamos as marginais Pinheiros e Tietê. Logo nos acostumamos à CB 1.000R, pois se trata de uma moto de alta cilindrada, mas com corpo de média. Leve e compacta, é extremamente dócil na pilotagem e praticamente não fica atrás das "pererecas" nos labirintos urbanos.
Esse é o primeiro sinal de como o motor de quatro cilindros em linha e 998cm³ - herdado da nervosíssima CB 1.000RR Fireblade - é um instrumento de precisão. Amansado e remapeado, passou dos quase indomáveis 178cv e 11,4kgfm na superbike para 125cv e 10,1kgfm, trabalhando em regimes mais baixos. São muitos números, mas importantíssimos para se entender porque esta CB é tão gostosa de pilotar.
Na Fireblade, este motor exige giro alto para funcionar bem. A pilotagem tem que ser agressiva, com uso constante do câmbio.
Já na CB, o motor foi afinado para ficar cheio o tempo todo. Em sexta (e última) marcha a impressão é que se está em terceira ou quarta. Pode-se andar a 60km/h ou a 120km/h sem engasgos. A qualquer velocidade, a Honda responde de pronto, sem pedir mais nem para cima nem para baixo.
Na prática, isso implica em uma pilotagem mais confortável e menos tensa, e com a agilidade necessária na cidade. Cruzei as marginais mais facilmente do que esperava e logo estava na Via Dutra. Ali, sem exagerar, fui deixando para trás os outros veículos, sempre mais lentos.
A CB 1.000R é uma papa-estrada. Come quilômetros de rodovia com desenvoltura e se sai tão bem quanto na cidade, mantendo a mesma disposição constante do motor. Nas ultrapassagens, basta enrolar o cabo para ganhar a velocidade necessária. Reduções raramente são necessárias.
Felizmente pegamos a versão equipada com ABS "combinado" (freie só o dianteiro ou só o traseiro que ambos serão acionados na proporção adequada). Ajuda em situações emergenciais e amplia a sensação de segurança - mas não é passaporte para abusos.
E não dá para abusar muito nesta Honda, que traz limitações aerodinâmicas inerentes a qualquer naked. Até os 120km/h (permitidos na Rodovia Ayrton Senna), vai-se bem. Quem tentar passar dessa velocidade vai brigar com o vento e perder conforto na condução.
Conforto, aliás, não é o forte da CB 1.000R. O piloto vai meio encolhido, com pernas muito dobradas. O guidom poderia ser um pouco mais alto pois, além de destoar visualmente, fica na altura dos espelhos dos carros. Isto também resolveria outra deficiência - com hastes curtas, os retrovisores só permitem ver os cotovelos do piloto...
Outro problema é o painel de instrumentos. A leitura diurna é deficiente, principalmente sob chuva. À noite, a iluminação azulada (que não se vê de dia) compensa o problema. Comandos e botões seguem o padrão japonês e são fáceis de ver e usar, mas poderiam ser um tantinho maiores.
O banco, por sua vez, é anatômico, mas um pouco duro. Após uns 200 quilômetros, já estávamos "doloridos". E só moçoilas corajosas e fascinadas por nakeds (ou pela posição "de quina pra lua") andarão felizes na garupa... Pilotar esta CB é agradável, mas em trajetos curtos. Viajar nela é sofrido (e nem há pontos para amarrar bagagens).
Mas o modelo chama a atenção. A começar pela balança monobraço, algo ainda raríssimo nesse segmento. É algo muito bem-vindo: consertar ou trocar o pneu traseiro torna-se incrivelmente fácil.
O desenho está na moda. Mas a cara de Darth Vader cria um contraste curioso com o jeitão musculoso do motor, que parece corpo de mulher-fruta, e mais ainda com a rabeta fina, semelhante à de uma modelo de passarela. O preço inicial de R$ 37.800 é alto, mas competitivo diante da única rival - a Kawasaki Z1.000, que é mais forte mas começa em R$ 45 mil.
FICHA TÉCNICA
PREÇO: R$ 37.800 (standard) e R$ 40.800 (C-ABS)
ORIGEM: Brasil
MOTOR: quatro cilindros, 998cm³, 16v, potência de 125,1cv (a 10.000rpm) e torque de 10,1kgfm (a 7.750rpm)
TRANSMISSÃO: câmbio de seis marchas. Secundária por corrente
SUSPENSÕES: dianteira com garfos invertidos e traseira monochoque em balança monobraço
FREIOS: dianteiro a disco duplo e traseiro a disco simples, com C-ABS
PNEUS: dianteiro 120/70 R17 e traseiro 180/55 R17
DIMENSÕES E PESO: 2,10m (comprimento), 1,44m (entre-eixos) e 82cm (altura do assento)
PESO: 208 quilos (com ABS)
TANQUE: 17 litros

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

boy na cr 2

Motos Mexidas